Link Facebook
botão youtube

Historiografia e epistemologia: o problema da objetividade

Atualizado em 26/04/20 12:22.

Por meio da história dos conceitos e dos objetos científicos ou das economias morais, protocolos intelectuais e virtudes epistêmicas necessárias para o exercício de certos tipos de racionalidade, autores como Georges Canguilhem e Lorraine Daston contribuíram para a configuração do estilo historiográfico conhecido como “epistemologia histórica”, que, ao
longo de décadas e em suas diferentes filiações, sempre se manteve atento ao problema das relações entre a historicidade e a objetividade do conhecimento científico, porém de um modo completamente diferente daquele característico de outras filiações historiográficas, que se limitavam a descrever a historicidade das ciências (inclusive da História) como um movimento em direção à sua objetividade, demonstrável, por exemplo, pelo crescimento do
rigor de seu método. A epistemologia histórica mostrou que, na verdade, as coisas são muito mais interessantes: a própria categoria “objetividade” possui uma história, que não épuramente racional ou técnica, mas igualmente moral e social. Desde os anos 80 (porém de modo mais sistemático nas duas últimas décadas), esse estilo historiográfico vem atraindo a atenção dos historiadores interessados pela chamada “história da historiografia”, que viram na
epistemologia histórica a confirmação da possibilidade de uma epistemologia da história em ato, ou seja, não um tribunal que determinará se a história atingiu ou não a objetividade e, caso sim, quando e como, mas, nas palavras de Daston, uma “exploração histórica das múltiplas significações e manifestações da objetividade” em história. Foi ao resultado dessa aproximação que François Hartog deu o nome de “historiografia epistemológica”, que descreveu (no texto “La tentation de l’épistémologie”) como “uma abordagem atenta aos conceitos e aos contextos, às noções e às circunstâncias, sempre mais cuidadosa com suas articulações, preocupada com a cognição e com a historicização”. Com bibliografia em português, inglês e francês, a disciplina apresentará um conjunto de tópicos conceituais, teóricos e metodológicos concernentes a esse diálogo entre epistemologia e historiografia sobre o problema da objetividade da e na História.